Tire algumas dúvidas sobre o vaginismo

Se você sente dores, ansiedade, vergonha, entre outras coisas durante a relação sexual, você pode estar com vaginite. Saiba mais sobre esta disfunção sexual.

Postado em 07/12/2017.

Sejamos sinceros, é fato que o sexo nem sempre é interessante e gostoso para as mulheres. Entre diversas questões, que impedem o prazer de relação sexual, uma delas é o vaginismo, este tipo de condição poderá ser entendida como um tipo de disfunção sexual feminina, que gera dores e espasmos involuntários na região vaginal. Em diversos casos, as dores poderão ser tão incômodas que impedem que a transa possa acontecer.

O vaginismo é um problema que ainda não conta com causas bem conhecidas, e as dores poderão ser físicas ou psicológicas. A situação se manifesta através de dores durante a prática sexual. Mulheres que possuem vaginismo apresentam um quadro de ansiedade, medo e acabam evitando situações em tentativas de penetração do pênis, do dedo, ou qualquer tipo de objeto na vagina. Geralmente estas mulheres possuem baixa autoconfiança, baixa autoestima, além de dificuldades nos relacionamentos interpessoais.

Tire algumas dúvidas sobre o vaginismo

Existe uma estimativa de que 5 a 17% da população feminina mundial sofra desta situação conforme os estudos. Menos de 30% das pacientes que possuem sintomas de vaginismo acabam se consultando por conta deste problema.

As mulheres ainda possuem dificuldades em diferenciar o vaginismo de outras dores que acontecem na prática sexual. Confira algumas situações para entender melhor o vaginismo.

O vaginismo se apresenta desde a primeira relação sexual ou ainda é algo adquirido?

A situação de vaginismo pode ser primária, quando a mulher nunca conseguiu ter relações sexuais com penetração, desde a sua primeira tentativa, além de situações secundárias ou adquiridas quando a mulher perde a capacidade de ter relações sexuais, após períodos de atividade sexual satisfatória por exemplo.

Como é feito o diagnóstico do problema, existe cura?

Este diagnóstico poderá ser realizado através de um histórico psicossexual detalhado, além de através de exame ginecológico para descartar outras situações de dores durante o coito, bem como para identificar o espasmo da musculatura vaginal confirmando assim seu diagnóstico. A partir do momento que existe um comprometimento da paciente com o tratamento que for proposto, o índice de cura ocorre em mais de 90% das situações.

Como é feito o tratamento do vaginismo?

O tratamento do vaginismo tem como objetivos permitir que a mulher se sinta o mais confortável possível com seus genitais, diminuindo desta forma a ansiedade e eliminando assim a resposta condicionada de contratura muscular através de algumas técnicas estruturadas de relaxamento corporal, bem como exercícios de Kegal, que nada mais são do que exercícios de contração e relaxamento de músculos do assoalho pélvico, exercícios de foco sensorial, com o objetivo de aumentar o autoconhecimento e a percepção do corpo. Além de psicoterapia cognitiva comportamental e fisioterapia, que são tratamentos que poderão ser utilizados.

Que complicações o problema poderá gerar na hora do sexo?

Diversos problemas como por exemplo conflito no relacionamento, além de sentimentos de angústia bem como inadequação sexual na mulher. Tudo isto poderá ainda em alguns casos levar a disfunção sexual nos parceiros.